Breaking News

40 mil táxis “caçam” clientes dia-a-dia nas inúmeras estradas de Luanda




Além dos veículos convencionais de transporte de passageiros, os chamados "azuis e brancos", só
para citar esses, existem os mini-autocarros, que efectuam rotas intermunicipais e interprovinciais,
os "Gira-bairro", que circulam na periferia e casco urbano, sem falar das moto-táxi e moto-boy


Ana Paulo

Circulam actualmente pelas estradas de Luanda cerca de 40 mil veículos que exercem actividade de táxi, mas destes apenas 28 mil estão legalizados, dos quais 18 mil controlados pela Associação
Nova Aliança dos Taxistas de Angola (ANATA) e três mil pela ATL, o que permitiu 75 por cento de emprego directo a jovens dos 18 aos 40 anos.
O presidente da Nova Aliança dos Taxistas de Angola, Geraldo Wanga, que prestou a informação aoJornal de Angola, defende a necessidade de se realizar um novo cadastramento de taxistas por existirem milhares a exercerem diariamente, em Luanda e arredores, a actividade de transporte público de passageiros, fora do controlo das associações existentes. Além dos veículos convencionais de transporte de passageiros, os chamados “azuis e brancos”, Toyota Hiace, Quadradinho, só para citar esses, existem os miniautocarros, que efectuam rotas intermunicipais e interprovinciais, os “Girabairro”, que circulam na periferia e casco urbano, sem falar das moto-táxi e moto-boy. Por Luanda, circulam também os veículos personalizados,


com taxímetro, e paragens determinadas, entre o AeroPorto, porto, hotéis e supermercados, os chamados “táxi-turismo”, bem como aqueles que vão ao encontro do cliente mediante chamada telefónica, pertencentes a algumas empresas privadas.
De acordo com o dirigente associativo, todos esses servidores públicos chegam a atingir 40 mil viaturas em circulação nas estradas de Luanda, com 300 mil jovens inseridos na actividade, entre motoristas, cobradores e os chamados “lotadores”. Geraldo Wanga defende um novo cadastramento, para saber ao certo quantos táxis circulam em Luanda e no resto do país, assim como um maior apoio do sector financeiro para que os agentes do sector possam obter créditos para adquirir meios de transporte para satisfazer a demanda e aferir o número de veículos existentes, seus integrantes e proprietários. Os taxistas enfrentam inú- meras dificuldades na realização das suas actividades diárias, disse o líder da Nova 

Aliança enumerando o mau estado das vias principais, secundárias e terciárias, parque automóvel envelhecido, falta de acessórios de reposição, escassez de divisas

Sem comentários